Alvorada FM

(64) 3634-1588
Anunciante 05

Mundo

Sanções vão gerar onda migratória, dizem talibãs a EUA e Europa

Líderes do grupo extremista se reuniram com diplomatas em Catar, enquanto tentam estabilizar o Afeganistão

Sanções vão gerar onda migratória, dizem talibãs a EUA e Europa
Líderes do Talibã em encontro com diplomatas da UE e dos EUA, em Doha, Catar KARIM JAAFAR/AFP - 12.12.2021
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Os talibãs alertaram delegados dos Estados Unidos e da União Europeia (UE) para a possibilidade de que as sanções econômicas contra o governo afegão podem minar a segurança internacional e deflagrar uma onda de refugiados econômicos. As declarações ocorreram durante encotro em Catar.

O ministro talibã interino das Relações Exteriores, Amir Khan Muttaqi, disse a diplomatas ocidentais em Doha que "enfraquecer o governo afegão não é do interesse de ninguém, porque seus efeitos negativos afetarão diretamente a segurança do mundo e a migração econômica do país", de acordo com um comunicado divulgado na noite da última terça-feira (12).

Os talibãs, islamistas radicais, derrubaram o governo afegão apoiado pelos EUA em agosto passado, após um conflito de duas décadas para impor sua rígida interpretação da lei religiosa.

Suas tentativas de estabilizar o país, que enfrenta ataques do grupo extremista Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), viram-se, no entanto, afetadas pelas sanções internacionais. No momento, bancos estão sem dinheiro, e funcionários públicos estão sem receber salário.

"Pedimos aos países do mundo que acabem com as sanções e permitam que os bancos operem normalmente para que grupos de assistência, organizações e governo possam pagar salários com as próprias reservas e assistência financeira internacional", apelou Muttaqi, segundo a nota, na reunião de Doha.

Os países europeus temem que um colapso da economia afegã provoque uma saída em massa de migrantes. Esse fluxo pressionaria países vizinhos, como Paquistão e Irã, e, eventualmente, as fronteiras da UE.

Washington e a UE disseram estar preparados para apoiar iniciativas humanitárias no Afeganistão, mas preocupados em dar assistência direta aos talibãs sem garantias de que respeitarão os direitos humanos, especialmente os das mulheres.

 

FONTE/CRÉDITOS: R7 Notícias

Veja também

Anunciante 06

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )